CONSIDERAÇÕES SOBRE O PENSAMENTO CLÁSSICO E O PENSAMENTO SISTÊMICO

  PENSAMENTO CLÁSSICO                        PENSAMENTO SISTÊMICO 

– Pressuposto da simplicidade                      – Pressuposto da complexidade

– Pressuposto da estabilidade                       – Pressuposto da instabilidade

– Pressuposto da objetividade                       – Pressuposto da intersubjetividade

PRESSUPOSTOS DO PENSAMENTO CLÁSSICO

O pressuposto da  simplicidade

Este pressuposto crê que separando-se o mundo complexo em partes encontram-se elementos simples. É preciso separar as partes para entender o todo, ou seja, o pressuposto de que “o microscópico é simples”. Daí decorrem, entre outras coisas, a atitude de análise e a busca de relações causais lineares. 

Este pressuposto tira o objeto de estudo dos seus contextos, prejudicando a compreensão das relações entre o objeto e o todo. Faz parte dessa perspectiva também a atitude “ou-ou”, que de acordo com a lógica, classifica os objetos, não permitindo que um mesmo objeto pertença a duas categorias diferentes. Além disso, esse pressuposto provoca a compartimentalização do saber, fragmentando o conhecimento em diferentes disciplinas científicas…

O pressuposto da estabilidade

 É a crença de que o mundo é estável, ou seja, em que o “mundo já é”.

Ligados a esse pressuposto estão a crença na determinação – com a consequente previsibilidade dos fenômenos – e a crença na reversibilidade – com a consequente controlabilidade dos fenômenos.

Este pressuposto leva o cientista a estudar os fenômenos em laboratório, onde pode variar os fatores um de cada vez, exercendo controle sobre as outras variáveis. Assim, ele provoca a natureza para que explicite, sem ambiguidade, as leis a que está submetida, confirmando ou não suas hipóteses. Ao levar o fenômeno para laboratório, excluindo o contexto e a complexidade, focalizando apenas o fenômeno que estava acontecendo, ele exclui a sua história.

Faz parte desse paradigma o pressuposto da previsibilidade: o que não é previsto com segurança é associado a um conhecimento imperfeito, o que leva a uma redução ainda maior do conhecimento por meio do pressuposto da simplicidade. Por conseguinte, a instabilidade de um sistema é visto como um desvio a corrigir.

O pressuposto da objetividade

Ele estabelece a crença em que “é possível conhecer objetivamente o mundo tal como ele é na realidade” e a exigência da objetividade como critério de cientificidade. Daí decorrem os esforços para colocar entre parênteses a subjetividade do cientista, para atingir o universo, ou versão única do conhecimento.

Com este pressuposto o cientista posiciona-se “fora da natureza”, em posição privilegiada, com uma visão abrangente, procurando discriminar o objetivo do ilusório (suas próprias opiniões ou subjetividade). Advém daí a crença no realismo do universo: o mundo e o que nele acontece é real e existe independente de quem o descreve. Com isso obtemos várias representações da realidade, que ajudaria a descobri-la. E o critério de certeza advém daquelas observações conjuntas e reproduzíveis, onde, coincidindo os registros de observações independentes, mais confiáveis e objetivas são as afirmações. A estatística encontra aí um bom campo de atuação.

Resumindo: a ciência tradicional procura simplificar o universo (dimensão da simplicidade) para conhecê-lo ou saber como funciona (dimensão da estabilidade), tal como ele é na realidade (dimensão objetividade).

PRESSUPOSTOS DO PENSAMENTO SISTÊMICO

O pressuposto da complexidade (em contraposição ao pressuposto da simplicidade)

Reconhece que a simplificação obscurece as inter-relações dos fenômenos do universo e de que é imprescindível ver e lidar com a complexidade do mundo em todos os seus níveis. Um exemplo de uma descrição baseada nesse pressuposto é a Sincronicidade, que prevê outras relações, que não são causais, para os eventos do universo. Além disso, a psicologia analítica lida de modo sistêmico com a psique, daí seu homônimo: psicologia complexa, ou profunda.

Um erro comum é imaginar que podemos resolver “todos” os problemas dividindo-os em partes e observando o que está falhando. Isto pode nos distanciar das relações entre as partes onde pode residir a real causa ou fatores que contribuem para o problema. Um raciocínio convencional (reducionista) é reduzir o problema a “isto” ou “aquilo”, enquanto o pensamento sistêmico define “isto e aquilo” A. Einstein 

 

O pressuposto da instabilidade (em contraposição ao pressuposto da estabilidade)

Reconhece que o mundo está em processo de tornar-se, advindo daí a consideração da indeterminação, com a consequente imprevisibilidade, irreversibilidade e incontrolabilidade dos fenômenos. A abordagem orgânica, a homeostase psíquica, e a noção de inconsciente (o que inclui a freudiana), com os seus componentes arquetípicos e complexos são exemplos de abordagem sistêmica da psicologia analítica.

O pressuposto da intersubjetividade (em contraposição ao pressuposto da objetividade)

Reconhece que não existe uma realidade independente de um observador e que o conhecimento científico é uma construção social, em espaços consensuais, por diferentes sujeitos/observadores. Então o cientista trabalha com múltiplas versões da realidade, em diferentes domínios linguísticos de explicações. Os tipos psicológicos junguianos são o que há de mais inovador nesse sentido, tendo inclusive reconhecimento científico tradicional na detecção dos tipos de personalidade.

Para o pensamento sistêmico, não existe uma realidade independente do observador.

Trata-se de uma epistemologia que traz definitivamente, para o âmbito da ciência, o observador, o sujeito do conhecimento.

IMPLICAÇÕES DO PENSAMENTO SISTÊMICO NA TERAPIA DE CASAL E/OU FAMÍLIA [1]

No atendimento sistêmico à família o profissional, ao atender seu cliente, passa a vê-lo como um membro integrante de um sistema familiar, colaborando e sofrendo a ação deste sistema. O profissional passa também a se ver, a partir deste momento, como parte integrante do sistema de atendimento que se está constituindo.

A partir deste momento o terapeuta buscará compreender toda a rede de relacionamentos que mantêm este sistema, as suas relações sociais com a comunidade, as relações do seu cliente com o sistema a que pertence, e as relações de seu cliente e ele (terapeuta). Deve buscar compreender também como todos estes membros do sistema (incluindo o próprio terapeuta) participam na manutenção e/ou na solução do problema que está sendo abordado.

O terapeuta continuará a exercer a prática para qual foi preparado em sua graduação ou pós-graduação, mas ampliando o foco de visão e de ação, buscando criar um contexto no qual todos os envolvidos com o problema possam co-construir sua solução.

O trabalho com famílias em uma visão sistêmica deve buscar usar recursos técnicos terapêuticos que se harmonizem com este tipo de visão do contexto sistêmico onde aparecem os problemas e onde se co-constroi uma solução.

Dentre os recursos técnicos terapêuticos disponíveis utilizamos com freqüência aqueles oferecidos pelo Psicodrama. Todas as técnicas e conceitos do Psicodrama se encaixam harmonicamente com a visão sistêmica nos processos terapêuticos seja na terapia individual, na terapia de casal e na terapia familiar.

As técnicas do Psicodrama, além de permitirem ao casal e/ou família falar de seus problemas e de como funciona seus sistemas familiares, passam também a vivenciar – como ATOR e como OBSERVADOR – as diferentes configurações destes sistemas e experimentar maneiras novas de se relacionar.

 

[1] Resumo aqui alguns conceitos que podem mais aprofundados no livro Atendimento Sistêmico de Famílias e Redes Sócias, de Juliana Gontijo Aun, Maria José Esteves de Vasconcelos e Sônia Vieira Coelho, Ed. Ophicina de Arte & Prosa, pags. 62 a 67.


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: